LIVROS ESTUDADOS

Antes da pesquisa prática dos fenômenos, é imprescindível o estudo sério, prolongado e constante das obras de pesquisadores que já trataram do tema. Uma vasta bibliografia existe que não se encontra em livrarias, devido à ausência de interesse do brasileiro em geral e até por parte daqueles que se declaram espíritas. Uma parte desta bibliografia já fez parte do Clube do Livro.

Todos os participantes do Círculo de Pesquisas são submetidos a avaliações periódicas, garantindo a eficácia das pesquisas e a validade dos seus resultados. Abaixo, uma relação dos livros que já foram estudados pelo Círculo de Pesquisas Ambroise Paré:

LISTA

CALENDARIO GERAL

Todos os anos, o calendário de atividades do Instituto de Cultura Espírita Carlos Bernardo Loureiro é definido e divulgado antes do início das atividades do período vigente. Por isto, já se encontra à disposição o Calendário de Atividades 2015, para que todos possam programar os seus estudos e atividades do melhor modo possível.

Atenção médiuns: este é o calendário geral. Para ter acesso ao calendário completo, faça o seu login.

 

CALENDÁRIO 2018

DESOBSESSÃO

Há três dias de trabalho no Instituto destinados ao tratamento da desobsessão:

Domingo, às 09:00h;
Segunda-feira, às 20:00h;
Sexta-feira, às 20 horas.

É sempre bom lembrar sobre a necessidade de estar presente no local antes do horário de início das atividades. A medida é em razão do respeito aos trabalhos aqui realizados e à observância das Normas do Instituto, e é destinada a todos os que aqui venham a freqüentar. Outro ponto importante é que, por motivo de segurança, a admissão nas dependências do Instituto será permitida, excepcionalmente, até 20 minutos após o início da reunião, devendo os possíveis atrasos serem tratados antecipadamente e exclusivamente com a Presidente do Instituto, Cristiane Amaral.

Além dos dias destinados à desobsessão, há outros cujas atividades sofrem direcionamento prioritariamente diverso. Nestes dias, a freqüência depende de autorização prévia, expressa e imprescindível da Presidente do Instituto. São estes:

Terça-feira, às 20:00h – Círculo de Pesquisas Ambroise Paré;
Quarta-feira, às 20:00h – Estudo da Codificação; Estudo Preparatório; e Estudo Avançado.

Para saber mais sobre as atividades da quarta-feira, basta ir até o menu “Cursos”, na coluna à direita.

PERFIL BIBLIOGRAFICO DE ALAN KARDEC POR CARLOS BERNARDO LOUREIRO

“Em 1854, Denizard Hippolyte ouve falar pela primeira vez das ‘mesas girantes’, através do Sr. Fortier, magnetizador, com o qual entrara em relações para os seus estudos sobre o Magnetismo.

O Sr. Fortier diz-lhe um dia:

‘Eis uma coisa mais do que extraordinária: não somente magnetizam uma mesa, fazendo-a girar, mas também a fazem falar; perguntam coisas e ela responde’.

Denizar Hippolyte replica:

‘Isto é outra questão: acreditarei quando puder ver com os meus próprios olhos e quando me provarem que uma mesa tem um cérebro para pensar, nervos para sentir e que pode tornar-se sonâmbula.Por enquanto, seja-se permitido dizer que tudo isso me parece um conto para fazer dormir em pé’.

Assim começava a vida espírita do discípulo de Pestalozzi: pela mais absoluta descrença! Tal era a princípio o estado de ânimo do futuro Codificador do Espiritismo, não negando coisa nenhuma por parti pris, mas pedindo provas e querendo ver o observar para crer.

No ano seguinte – era começo de 1855 – Rivail encontrou-se com o Sr. Carlotti, seu amigo há vinte e cinco anos, que discorreu acerca de fenômenos espíritas durante mais de uma hora. O Sr. Carlotti era corso, de uma natureza ardente e enérgica. Afirma Rivail sobre o seu amigo: ‘Eu tinha sempre distinguido nele as qualidades que caracterizam uma grande e bela alma, mas desconfiava de sua exaltação. Ele foi o primeiro a falar-me da intervenção dos Espíritos, e contou-me tantas coisas surpreendentes que, longe de me convencer, aumentou minhas dúvidas. “Você um dia será um dos nossos” – disse-me ele. “Não digo que não” – respondi-lhe – “Veremos isso mais tarde”.

Pelo mês de maio de 1855, Rivail visitava a casa da sonâmbula Sra. Roger. Lá encontrou o Sr. Patier e a Sra. Plainemaison, que lhe falaram desses fenômenos no mesmo sentido que o Sr. Carlotti. O Sr. Patier era funcionário público, de uma certa idade, homem muito instruído, de um caráter grave, frio e calmo; sua linguagem pausada, isenta de todo entusiasmo, produziu em RIvail uma viva impressão; e quando ele lhe fez oferecimento para que assistisse às experiências que tinham lugar em casa da Sra. Plainemaison, na rua Grange-Batelière, nº 18, aceitou prontamente. A sessão foi marcada para a terça-feira (esta data ficou em branco no manuscrito de Allan Kardec) de maio, às 20 horas.

‘Foi aí – informa Rivail – pela primeira vez que fui testemunha do fenômeno das mesas girantes, que saltavam e corriam, e isso em condições tais que a dúvida não era possível.

‘Aí vi, também, alguns ensaios muito imperfeitos de escrita mediúnica em uma ardósia com o auxílio de uma cesta. As minhas idéias estavam longe de se haver modificado, mas naquilo havia um fato que deveria ter uma causa. Entrevi, sob essas aparentes futilidades e a espécie de divertimento que com esses fenômenos se fazia, alguma coisa de sério e como a revelação de uma nova lei, que a mim mesmo prometi aprofundar.

‘A ocasião se ofereceu antes de observar mais atentamente do que tinha podido fazer. Em um dos serões na casa da Sra. Plainemaison fiz conhecimento com a família Boudin, que morava, então, na rua Rochehouart. O Sr. Boudin me fez oferecimento no sentido de assistir às sessões hebdomadárias que se efetuavam em sua casa, e às quais eu fui, desde esse momento, muito assíduo’.

Foi aí que Rivail fez os primeiros estudos sérios de Espiritismo, aplicando a essa nova ciência, como até então o tinha feito, o método da experimentação. Jamais formulou teorias preconcebidas: observava atentamente, comparar, deduzia as conseqüências; dos efeitos procurava remontar às causas, pela dedução, não admitindo como válida uma explicação senão quando ela podia resolver todas as dificuldades da questão. Foi assim que procedeu sempre em seus trabalhos anteriores. rivail compreendeu, desde o princípio, a gravidade do trabalho que iria empreender. Entreviu, nesses fenômenos, a chave do problema tão obscuro e tão controvertido do passado e do futuro, a solução que havia procurado toda a sua a sua vida; era, em uma palavra, uma completa revolução nas idéias e nas crenças; preciso, portanto, se fazia, agir com circunspecção e não levianamente; ser positivista e não idealista, para se não deixar arrastar pelas ilusões.

Um dos primeiros resultados das observações de Rivail foi que os Espíritos outra coisa não são senão as almas dos homens, não tinham nem a soberana sabedoria, nem a soberana ciência; que seu saber era limitado ao grau de seu adiantamento, e que sua opinião não tinha senão o valor de uma opinião pessoal. Esta verdade, reconhecida desde o começo, evitou-lhe o grave escolho de crer na sua infalibilidade e lhe preservou de formular teorias prematuras sobre o dizer de um só ou de alguns.

Só o fato da comunicação com os Espíritos, o que quer que eles pudessem dizer, provava a existência de um mundo invisível ambiente: já era um ponto capital, um imenso campo franqueado às investgações, a chave de uma multidão de fenômenos inexplicados. O segundo ponto, não menos importante, era conhecer o estado deste mundo, seus costumes, etc. Cedo, Rivail percebeu que cada Espírito, em razão de sua posição pessoal e de seus conhecimentos, lhe desvendava, apenas, uma fase do plano onde se encontrava, exatamente como se chega, como um todo, à situação de um país, interrogando-se os seus habitantes, pertencentes a todas as classes e de todas as condições, podendo cada um nos ensinar alguma coisa, e nenhum deles podendo, individualmente, nos ensinar tudo. Cumpre ao observador formar o conjunto, com o auxílio dos depoimentos colhidos de diferentes lados, colecionados, coordenados e confrontados entre si. Rivail, pois, agiu para com os Espíritos como o teria feito com os homens; eles foram para ele, desde o menor até o mais elevado, meios de colher informações e não “reveladores predestinados”.

A estas informações pinçadas em “Obras Póstumas” (publicado 22 anos depois do lançamento de “A Gênese”, em 1868, o livro apresenta vários trabalhos de Allan Kardec que nunca haviam aparecido em livro. Este livro representa o testamento doutrinário do Codificador do Espiritismo), convém acrescentar que, a príncípio, Rivail, longe de ser entusiasta dessas manifestações, e absorvido por suas próprias preocupações, esteve a ponto de as abandonar, o que talvez tivesse feito, se não fossem as insistentes solicitações dos Srs. Carlotti, René Tailander, membro da Academia de Ciências, Thiedeman-Manthèse, Victorien Sardou, pai e filho, e Pierre-Paul Didier, livreiro-editor, que acompanhavam, havia cinco anos, o estudo desses fenômenos e tinham reunido cinqüenta cadernos de comunicações diversas, que eles não conseguiam pôr em ordem.

Conhecendo as vastas e raras aptidões de síntese de Rivail, esses pesquisadores lhe enviaram os cadernos, pedindo-lhe que deles tomasse conhecimento e os pusesse em termos. Este trabalho era árduo e exigia muito tempo, em virtude das lacunas e obscuridades dessas comunicações. O sábio enciclopedista lançou-se à obra; tomou os cadernos, anotou-os com cuidado, após atenta e circunspecta leitura; suprimiu as repetições e pôs, na respectiva ordem, cada ditado, cada relatório de sessão; assinalou as lacunas a preencher, as obscuridades a aclarar, e preparou as perguntas necessárias para chegar a esse resultado.

“Até então – diz ele próprio – as sessões em casa do Sr. Boudin não tinham nenhum fim determinado; propus-me a fazer resolver os problemas que me interessavam sob o ponto de vista da Filosofia, da Psicologia e da natureza do Mundo Invisível. Comparecia a cada sessão com uma série de questões preparadas e metodicamente dispostas; eram respondidas com precisão, profundeza e de um modo lógico. Desde esse momento, a reuniões tiveram um caráter muito diferente; entre os assistentes encontravam-se pessoas sérias que tomaram por isso um vivo interesse. A princípio eu não tinha em vista senão minha própria instrução; mais tarde, quando vi que tudo isso formava um conjunto e tomava as proporções de uma doutrina, tive o pensamento de o publicar para instrução de todos. Foram essas questões que, sucessivamente desenvolvidas e completadas, fizeram a base de O Livro dos Espíritos”.

________________________________________________________
Origem do nome Allan Kardec

Em “Vida e Obra de Allan Kardec” – ver mais informações na íntegra do “Curso Regular de Espiritismo”, disponível na livraria do Instituto de Cultura Espírita Carlos Bernardo Loureiro -, André Moreil afirma que, certa noite, Zéfiro, Espírito protetor de Denizard Hippolyte Léon Rivail, informou havê-lo conhecido numa existência anterior, quando, na época dos druidas, viveram nas Gálias. Disse-lhe que o seu nome era, então, Allan Kardec. “A partir desse momento – comenta Moreil – Denizard Rivail já não existe”.

(…)

Os druidas eram sacerdotes celtas. Os celtas, povos antiquíssimos, de origem indo-germânica, empreenderam grandes migrações desde os tempos pré-históricos, percorrendo toda a Europa, desde as Ilhas Britânicas até a Ásia Menor. Mas, por volta do ano 250 antes do Cristo, quando atingiram o clímax do seu poder, estavam fixados principalmente nas Gálias.

Embora sua linguagem e os fundamentos de sua cultura já estivessem estruturados desde sete séculos antes da nossa era, jamais se organizaram politicamente sob qualquer forma de governo. Apenas uma poderosa e mística força os unia à casta sacerdotal, que mantinha íntegros os preceitos religiosos e as raríssimas tradições do mundo celta. Esses sacerdotes eram os druidas, reverenciados pelas tribos onde quer que fossem. Dedicavam-se à Teologia, à Filosofia, à Magistratura. Conduziam todo um povo, cujas crenças se fundamentavam na imortalidade da alma e na reencarnação, além de admitir, serenamente, a comunicabilidade com os Espíritos.

A revista “Reformador” reproduziu, em francês, a carta que Denizard Hippolyte Léon Rivail escreveu ao Sr. Thiedman-Manthèse, em 27 de outubro de 1857, relativamente ao pseudônimo que adotara: “Duas palavras ainda a propósito do pseudônimo. Direi, primeiramente, que neste assunto lancei mão de um artifício, uma vez que, dentre 100 escritores, há sempre os 3/4 que ão conhecidos por seus nomes verdadeiros, com a só diferença de que a maior parte toma apelidos de pura fantasia, enquanto que o pseudônimo Allan Kardec guarda uma certa significação, podendo eu reivindicá-lo como o próprio em nome da Doutrina Espírita”.

O certo é que, ao adotar o pseudônimo Allan Kardec, o professor Rivail deu valioso testemunho, não somente de fé, mas, igualmente, de humildade, pois seu nome civil era dos mais ilustres da França. Ele descendia de antiga e tradicional família, cujos membros brilharam na Advocacia e na Magistratura.

Denizard Rivail foi um dos mais destacados discípulos de Pestalozzi e, depois, conselheiro influente nas reformas do ensino levadas a efeito na França e na Alemanha. Poliglota, dominava, além do francês, o alemão, o inglês, o latim e o grego. Verteu, para o alemão, obras importantes, como as de Fénelon (François de Salignac de la Mothe, nascido em 1651 e desencarnado em 1715),k destacando-se “Telêmaco”, epopéia romanesca em prosa, inspirada na “Odisséia”, de Homero.

 

____________________________________________
Quem quiser conhecer mais sobre Allan Kardec e o Espiritismo, pode procurar a nossa livraria. Os textos acima estão presentes no “Curso Regular de Espiritismo”, material do pesquisador Carlos Bernardo Loureiro.

FUNDAÇÃO ICECBL

Fundado na terça-feira, 22 de aqosto de 2006, doze dias após a desencarnação do pesquisador espírita que dá nome à Casa, o Instituto de Cultura Espírita Carlos Bernardo Loureiro iniciou suas atividades práticas no campo da desobsessão e do esclarecimento intelectual do Espírito no dia 27 do mesmo mês.

Esta primeira reunião ocorreu em um domingo pela manhã, às 09:00h, na sede de uma confecção de camisetas, tendo sido precedida por uma desobsessão no local, realizada no dia anterior, às 16:00h.

Já na segunda-feira, 28 de agosto, a primeira sede oficial do Instituto foi posta em funcionamento – uma casa no bairro do Rio Vermelho, no final da Avenida Cardeal da Silva, nº 140, onde viria a funcionar por 178 reuniões.

Prontamente, todo o trabalho idealizado e exercido por Carlos Bernardo Loureiro foi posto em prática novamente: além das reuniões de desobsessão aos domingos, segundas e sextas-feiras, o grupo de pesquisas sobre os fenômenos espiríticos voltou a funcionar sob o nome de Círculo de Pesquisas Ambroise Paré (Espírito que acompanhou o pesquisador em seus trabalhos de pesquisa, coordenando a obtenção dos fenômenos) e em seu dia habitual: às terças-feiras. Da mesma forma os trabalhos das quartas-feiras foram restabelecidos tal e qual construídos pelo pesquisador espírita – do mesmo modo, a desobsessão em lugares solicitados e permitidos pelos Espíritos-Controle fora das dependências do Instituto.

A responsável pela continuidade de uma atividade de tal modo nobre e que requer conhecimentos, firmeza de princípios e fidelidade análogos aos de Carlos Bernardo Loureiro é a Presidente do Instituto, Cristiane Amaral, biografada em seção específica deste site.

Durante os 7 meses e 5 dias de funcionamento do Instituto no bairro do Rio Vermelho, não foi sem estudos sérios e disciplina forte que o trabalho pôde ser realizado e firmado. Esta postura levou ao surgimento das “Normas”, acessíveis em link no menu Inicial do site e de observância obrigatória a todos os que venham a freqüentar a instituição, seja no papel de médiuns, seja na condição de assistidos.

Como o trabalho assumiu dimensões além da capacidade suportada pela então sede, foi providenciada a mudança para o atual endereço – Rua Professor Palma, 13 – Barbalho – no dia 03 de abril de 2007. Desde a sua fundação, os Espíritos têm encontrado no Instituto de Cultura Espírita Carlos Bernardo Loureiro um local de muito estudo, disciplina, amor à causa espírita e respeito às dores e sofrimentos alheios. É neste local que os trabalhos são realizados, visando o tratamento de encarnado e desencarnados na medida que a Lei Natural exige e permite.

AUTOBIOGRAFIA Cristiane Amaral de Jesus

Cristiane Amaral de Jesus, nascida em 15/06/1968, formada em Letras Vernáculas com Língua Inglesa pela UNEB-BA, em Santo Antônio de Jesus, cidade natal. Em 11 de janeiro de 1995 conhece o notável pesquisador espírita Carlos Bernardo Loureiro, tornando-se médium do centro que fundara. Casada com o jovem Luciano Pereira Soares, tendo a mesma jornada universitária da companheira.

Espírito inquieto, inteligente e muito estudioso, em pouco tempo já havia explorado muitos livros seletos da doutrina Espírita principalmente, fora a Codificação e a Revista Espírita, claro, aprecia até hoje as pesquisas de Ernesto Bozzano, León Denis, Gabriel Delanne, Gustave Geley, Carlos Imbassahy, Charles Richet, Oliver Lodge, reconhecendo o ideal Espírita, ciência e filosofia com conseqüências éticas, como ideal de sua vida.

A partir de 1999 começa a realizar palestras a comando e preparação do querido dirigente Carlos Bernardo Loureiro, organiza os cursos das quartas-feiras, os encontros de médiuns e o último seminário antes da desencarnação do mesmo (23/07/2006) e o lançamento de três livros. Companheira de ideal dileto, participa do primeiro seminário em 2000: “O Espiritismo e a Cultura Brasileira”; 2002: “O Espiritismo Segundo o Espiritismo”; 2003: “Espiritismo, esse desconhecido”; 2005: “Encontro com a Cultura Espírita”; 2006: “Perispírito: Natureza, Funções e Propriedades”.

Participara de muitas peças teatrais no centro, com a direção do ator consagrado e saudoso Milton Gaúho, a quem agradeço imensamente pelo aprendizado na arte teatral. E os continuadores do trabalho de Milton Gaúcho, Tato Tavares e Raul Denis em períodos específicos.

Agradecimentos de um Espírito recalcitrante, mas, que luta todos os dias para “deixar de ser ruim”, ensino advindo do querido Carlos Bernardo Loureiro. Este que melhor não houve, nem há, para a interpretação filosófica e científica desta belíssima doutrina. Muito aprendi com ele e com os Espíritos que com ele trabalhavam.

Continuo o seu trabalho, pois, duas semanas antes de sua desencarnação, num domingo, ele revelava na sala mediúnica que já tinha quem continuaria seu trabalho e anunciou meu nome. No momento, dava passe e fiquei inquieta, mas, agradecida, pois, amo trabalhar com desobsessão. Preciso deste trabalho e é uma honra dignificar a doutrina dos Espíritos, tão achicalhada neste país. País que teve mestres em sua defesa como Leopoldo Machado, Abel Mendonça, Aurelino Mota de Carvalho, Josué Arapiraca, Deolindo Amorim, o Kardec brasileiro, Luis Olímpio Teles de Menezes, Cairbar Schutel, Carlos Imbassahy, Odilon Negrão, Ismael Braga, Herculano Pires, Lins Vasconcelos e tantos outros corifeus da defesa doutrinária do puro pensamento Kardequiano.

E repito quantas vezes for necessário: o querido pesquisador espírita Carlos Bernardo Loureiro, que desencarnado em 10/08/2006, em 22/08/2006 decido junto com os Espíritos e alguns companheiros fundar o Instituto de Cultura Espírita Carlos Bernardo Loureiro em homenagem e a dignificar seu trabalho que fora modificado por uma moda chamada “passe light”. Fui preparada para trabalhar com a escória espiritual que também fazemos parte, muitas vezes, os principais causadores das obsessões.

Divulgo a doutrina escrevendo artigos que poderão ser encontrados na sede do Instituto e em nosso site.

Seminário

Segundo ano que realizamos o último seminário do ano com o tema A Revista Espírita, sendo este o ano de 1859.

Todo espírita, que se preza, e, realmente, é kardecista puro deve estudar esta obra de 12 volumes e o 13° volume é o índice remissivo. Obra que esclarece o espírito de sua condição de ser imortal, as relações sociais com o encarnado e este com o desencarnado. Fatos incontestáveis sobre aparições, visões, escrita direta, fenômenos de transporte, transfigurações e outros fenômenos. Alertas sobre as consequências desastrosas quando a relação entre os espíritos encarnados e desencarnados não é de respeito, esclarecimento, e, claro, a naturalidade que deveria ser se se admitisse que somos imortais, reencarnados e nos comunicamos nos dois planos corpóreo e incorpóreo. As defesas do mestre de Lyon Allan Kardec as perseguições e difamações perversas e gratuitas ao Espiritismo e ao trabalho do mestre empreendido por mais de 13 anos, esclarecendo e realizando desobsessões àqueles que completamente desequilibrados bateram na porta da Sociedade de Estudos Espíritas de Paris.

A ignorância, descrença e estupidez advindo das lavagens cerebrais das imundas religiões, culminaram neste estado de ojeriza ao espírito e a tudo que se trate dele, nas manifestações dos mesmos e os princípios existenciais. Não é à toa que como bem esclarece o pesquisador espírita kardecista puro Carlos Bernardo Loureiro: “Quando houve o lançamento d‘O Livro dos Espíritos, não há mais necessidade da religião! (…) os religiosos ficaram enlouquecidos com as idéias ali divulgadas. Destrói todas as suas farsas e ilusões. Não foi sem demora que iniciaram o ataque a Kardec e ao Espiritismo! ”

Assim, o Espiritismo passou a ser rechaçado como ruim, indigno e demoníaco. Enquanto a violência, as perversões sexuais, corrupções, desespero, suicídios e vícios assolam a humanidade por conta desta negação ao Espírito e as responsabilidades éticas de nossas atitudes impensadas até brutais a lei natural, gerando consequências terríveis. E as religiões? Mergulhadas em escândalos de pedofilia, perversões outras, corrupções, assassinatos, sequestros, tráfico humano, prostituições e milhões ainda acreditando nestes monstros.

O esclarecimento é a única alternativa para o Espírito se se quiser sair do estado miserável que se encontra. Haja vista que é a falta de raciocínio lógico e de pesquisa as manifestações dos Espíritos que fizeram milhões acreditarem na estúpida invenção chamada Morte e na inexistência do Espírito, e, ainda, se verem espantados quando informamos que a religião católica matou 25 milhões na inquisição, sem contar as outras religiões que da mesma forma para se impor foram responsáveis por outros genocídios.

Estudem as obras do Mestre de Lyon Allan Kardec! Como bem esclarecia o querido pesquisador Carlos Bernardo Loureiro: ‘Estude Kardec, depois questione”.

E, mais, continuando com o querido pesquisador: “Precisamos resgatar o conceito de Espiritismo. Ninguém conhece o Espiritismo aí fora (…) confundem o Espiritismo com fetichismo. ” 

Cristiane Amaral de Jesus

9:50 – 06/09/2017

Seminário

Este como todos os Seminários deste instituto serão com livros e outros escritos do querido pesquisador Kardecista puro Carlos Bernardo Loureiro. O tema é a realização do que o mestre de Lyon Allan Kardec tanto quis fazer e não deu tempo. Contudo o escritor, polemista, pesquisador Carlos Bernardo Loureiro, que por mais de 40 anos trabalhou com as dores alheias, conseguiu este feito.

Neste livro verão os primórdios antes do mestre de Lyon admitir, estudar, pesquisar e divulgar o Espiritismo; as idéias que nortearam sua vida; os ideólogos estudados por ele; suas obras antes e depois que assumiu codificar e raciocinar a filosofia, ciência e a ética da Doutrina dos Espíritos.
Com o lançamento desta obra no centro que fundou, em 1999, antes curso nas terças-feiras desde janeiro de 1995, conclui mais uma obra fundamental para o estudo e consulta bibliográfica sobre o Espiritismo, sua origem, importância e referência para futuras pesquisas desta racional, metódica e dialética Doutrina.

Entre tantos textos dirigidos oralmente pelo ilustre e admirado autor Espírita Kardecista puro baiano sobre esta obra, escolhi esta: “Estou realizando um desejo de Allan Kardec!”

Cristiane Amaral
03/06/2017 às 7h00

Seminário

Este ano de 2017 inicia com a constatação clara de nossa luta para manutenção de um trabalho único em defesa da pureza doutrinária do Espiritismo e a pesquisa dos fenômenos espiríticos sejam eles mediúnicos e, ou anímicos.

Completados 10 anos de muita luta e resistência em uma terra que nega o Espírito e não há mais centros espíritas Kardecistas, e sim, palhaços que querem encher seus redutos com a divulgação de alternativas estúpidas vindo do oriente, psicoterapias fajutas, psicologias estas que negam o Espírito, e, como bem acrescentava o querido pesquisador Espírita Kardecista puro, Carlos Bernardo Loureiro, “no currículum do curso de psicologia não há estudo sobre o Espírito! ”

O seminário, primeiro, deste ano terá como sempre colocamos, temas estudados, discutidos, ministrados cursos nos 43 anos e escritos em livros, e, agora, os seus artigos em jornais da capital de Salvador, do sempre admirável polemista Carlos Bernardo Loureiro que muito colaborou e continua trabalhando com o semelhante nos dois mundos corpóreo e incorpóreo.

Aproveitemos sempre estes momentos para estudar e buscar respostas que são tão fortes no Espírito que nos anima, e, em muitos séculos não encontrávamos respostas. Fora os períodos terríveis em que as lavagens cerebrais das religiões e seitazinhas com suas variações em diversas instituições sociais, políticas, econômicas e filosóficas que nos fanatizaram, impedindo de ter até questões a fazer sobre o porquê estamos vivos; o porquê dos sofrimentos; o porquê da luta que pode nos parecer inútil diante de tanto niilismo; o porquê da tal morte. E tantas outras como ainda não controlarmos o ódio ou as atitudes que nos acometem sem estarmos pensando sobre. Mais e mais veremos nestes artigos tão lidos no ano de 1999 e que muitos, como os pseudo-espíritas, religiosos, protestantes e outros lacaios, tentaram proibir sua circulação.

Cristiane Amaral de Jesus

(Fundadora e presidente do ICECBL)

06/02/2017, 15h05min